sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

CURTINHAS DA MAMÃE...


Mamãe contava verdadeiras "pérolas" de meus irmãos e irmãs... E hoje vou reestreiar o "Memórias" com duas delas...

1 - Moramos numa casa bem antiga. Ela deve ter uns 100 anos ou mais (a casa), herança de meus bisavós... E nessa casa antiga, os espaços são bem grandes: temos duas salas (4m cada uma), 4 quartos... enfim espaços! E o teto é beeemmm alto!
Antigamente, as caixas d'águas eram no sotão. E um dia uma delas deixou de funcionar. Minha mãe estava sozinha em casa e de repente a água começou a vazar do teto! Ela então subiu até lá para ver se podia fazer alguma coisa para parar toda aquela água!
Meus irmãos eram pequenos e meu pai tinha ido trabalhar!
Quando chegou lá no sotão, ela conseguiu prender a boia e a água parou de jorrar. Mas quando foi descer pela escada novamente, escorregou e caiu - a escada estava molhada!
Lá embaixo estavam meus irmãos. Quando viram minha mãe caída, correram até ela e perguntaram porque estava ali, daquele jeito.
Mamãe não podia responder. Não que não quisesse, mas não podia falar porque havia perdido a fala, na queda!
_Mamãe morreu! Mamãe morreu! - gritavam meus irmãos!
Para impedi-los de gritar, ela passava as mãos desesperada por suas bocas, e a aflição foi tanta que depois de algum tempo ela recuperou a fala e pôde explicar a eles o que havia ocorrido com ela!


2 - Depois da mudança para a nossa casa atual, meu irmão foi procurar seu colchão pois não sabia dormir sem ele!
Mas minha mãe e uma de minhas irmãs foram até a casa, a fim de limpá-la porque estava muito suja. Elas pensaram que não havia ninguém em casa, quando escutaram um barulho de alguma coisa caindo ao chão, no quarto da sala de televisão.
_Mãe! A Senhora escutou um barulho? Vem lá da sala de estar!
_Não ouvi nada Maria José. Você está ouvindo coisas demais. Não há ninguém aqui!
_ Eu ouvi um barulho mãe! Vamos lá ver o que é!
E elas de fato foram ver quem estava fazendo o barulho.
E viram um colchão arrastando sozinho pela sala de jantar. (Meu irmão muito pequeno, estava debaixo do colchão).
Minha irmã, que muniu-se de uma vassoura para acertar na cabeça de quem estivesse fazendo o barulho, desmaiou de pavor, deixando minha mãe sozinha, de pernas bambas a observar o colchão-fantasma...
_ Quem vem aí? Um fantasma?
_ Não, né mãe! Sou eu, Zé! Trocaram meu colchão com o de Luizinho e estou destrocando, ele! A senhora sabe que não durmo no colchão de ninguém! E porque Mizeca tá assim caída no chão?
_ Uai, desmaiou de medo, ao ver esse colchão andando sozinho!



3 comentários:

disse...

Histórias sempre têem que ser resgatadas, principalmente das pessoas que tanto amamos.
Beijos de saudades minha linda, perdão por não vir antes, peguei muitas coisas para fazer aqui em casa e tô ficando meio doidinha!
Beijos e beijos!

Monica Loureiro disse...

Voce já escreveu um livro sobre a sua família ? Deve ser terapêutico...

Sandra disse...

Com certeza Mylla. As nossas memórias devem ser registradas.
Passei para deixar um grande abraço,amiga.
Estou aqui torcendo por ti...
Apreoveito ainda para convidar a vim tomar um café de aniver da Ana..Passe lá..

FESTA SURPRESA...
CONVITE.
GOSTARIA DE RECEBER PARA BRINDARMOS O ANIVER...
TE ESPERO..
ONDE: CURIOSA.
HORÁRIO: DURANTE O DIA.
DIA:08.02.2010

FICAREI MUITO FELIZ EM TE RECEBER...
SANDRA